EXPOR NO FACEBOOK É GRATUITO E DÁ VISIBILIDADE


O facebook é o café virtual onde

a malta vai o tempo todo. E não há

nada melhor para expor fotografias

do que um café, para ser visto por

toda a gente. Comecei a ser convidado para realizar exposições fixas, quando coloquei as fotografias na internet. Mostra a visibilidade que se tem com a internet. É gratuito, as fotos estão sempre boas, mesmo que tenham pouca qualidade, o que numa exposição fixa não é possível. Eu digo a toda a gente para colocar as fotografias na internet, que criem blogs, que usem o facebook, onde é possível os visitantes deixarem os

seus comentários. É o que eu faço;

tenho vários álbuns na minha página

do facebook. Tem uma vantagem, a

pessoa comenta a foto e ao ver aquela pode aproveitar e ver as restantes que estão no álbum.


Isto está muito diferente do antigamente. Com 16 anos, ajudei a montar uma exposição de tema livre aqui em Portimão. Naquela altura, era difícil. Tinha um processo de impressão complexo, depois tinha de se fazer a montagem das fotos naquelas molduras que eram pesadíssimas. Já só em 2005 fiz a minha primeira exposição num café, o Chocolate, que

já fechou, em Portimão. Acho que o ideal para as exposições fixas são os cafés ou restaurantes, porque são lugares que estão abertos a todas as horas e frequentados por muita gente. Outro exemplo bom é a Exposição Ria Formosa, da ALFA, que está patente na

FNAC, no AlgarveShopping. Tem lá o café, tem livros e cd’s, o que estimula as pessoas para lá passarem e observarem a exposição. Mostra de facto o reconhecimento que está a ser

dado à nossa associação. Isto de fazer uma exposição custa dinheiro, porque cada foto em tamanho aceitável sai a mais de 20 euros. Uma pequena exposição e estamos a falar em cerca de 400, 500 euros.


Eu fotografo apenas pelo prazer de fotografar. Na edição, dou uns ajustes mínimos na saturação e no contraste e pouco mais. Para mim, o importante é apanhar o momento da foto. Tenho o exemplo de uma foto que não está perfeita, era uma ave e cortei-lhe a cauda. Esperei quatro horas, com fome, sede e frio, para apanhar a cegonha a alimentar as crias. O meu gozo é que apanhei aquilo que queria apanhar. Infelizmente, estou a ver pessoas a

expor fotografias com dimensões que não são para ser expostas. Usam, nalguns casos, molduras muito grandes para colocarem fotos muito pequenas. Isso não dá para apreciarmos. A gente só vê a qualidade de uma foto, estou a falar em termos técnicos, quando a temos de colocar em tamanho grande. Eu abro sempre as minhas fotografias em tamanho real, para ver se elas têm qualidade ou não.


Outra coisa que me causa impressão é as pessoas que têm máquinas com resolução de dezoito megapixels e fotografam a três megapixels para poupar os cartões de memória.

Devemos fotografar sempre com a maior resolução possível, pois nunca sabemos se vai aparecer a foto da nossa vida. Eu só fotografo em formato RAW e aconselho todos os fotógrafos a fazerem o mesmo. Dá mais trabalho na edição, porque não ficam prontas

a mostrar. Mas, quando começarem a fotografar em RAW, verão as suas vantagens. Dá uma latitude maior, e uns tons médios muito mais ricos. O RAW é um negativo digital e isso

diz tudo

ESPAÇO ALFA - Artigo de José Garrancho publicado no Caderno de Artes Cultura.Sul de abril de 2012

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo